Páginas da vida.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Ela é uma menina fortemente fraca (...)

Existem fases na vida em que você precisa definitivamente crescer. Foi assim com aquela pequena menina indefesa. Ninguém estava acreditando nela até o dia em que as coisas mudaram. Ela começou a ser forte em suas decepções. As lágrimas já não caiam naturalmente. Ela seria agora um objeto? Não. Ela apenas cresceu, deixou de acreditar em mundo encantado. É estranho falar sobre ela. Porque a mudança foi tão radical, que ela tornou-se então a “desconhecida”. Era como se ela não tivesse um coração que batia desesperadamente dentro de si. E tudo isso foi causado por uma experiência adquirida lá no passado. Ou seja, tudo isso, tudo aquilo, tudo aconteceu, devido a lembranças amargas de um passado com culpa. Agora, ela prefere encarar a vida do seu próprio jeito. Porque descobriu que a sua felicidade dependia daquilo que havia conquistado. Ela era uma menina indefesa, agora é apenas uma mulher independente. Por dentro a sua alma ainda grita, porque as lembranças que ela possui, são as mais intensas... as mais bonitas. Ela sente, chora, ama. Mais prefere fazer tudo isso as escondidas, para simplesmente não perder mais os seus últimos valores. As vezes ela se sente fraca, mais isso não é motivo pra voltar atrás. Ela conseguiu o que todos precisam conquistar hoje: o próprio crescimento. Não importa em qual aspecto ela cresceu definitivamente, porque ela já não tem medo do que os outros pensam de acordo com a sua nova rebeldia, ela simplesmente não se importa mais. Ao observar todas as atitudes daquela pequena mulher, posso concluir que: a sua mudança era uma simples dependência de um passado amargo e experiente. Que tinha que acontecer, trazendo para a pequena menina indefesa: a simples realidade, de que nem tudo se resolve com lágrimas, ou emoções.

texto fictício

4 comentários:

Elen Abreu disse...

Gostei do texto!
E nada como essa mudança que somos obrigados a passar,é tão necessário e muito gostoso ao mesmo tempo pq nos sentimos mais independente e menos bobinha.

Bjos flog==*

André Ulle disse...

As mudanças em geral são assim bem dolorosas, mas infelizmente é necessário crescer, e viver no meio da guerra declarada entre essa espécie egocêntrica.

òtimo texto, ótimo blog. Parabéns!

dear sarah disse...

Apesar de ela se achar fraca isso já faz dela forte...

espero que saiba se levantar, pois todo dia é dia de recomeçar.

Mayara Cândido disse...

amo teu blog *-*